Funcionários da área de saúde fazem protesto em Brasília

Cerca de 3 mil profissionais da saúde podem entrar em greve. Eles estão reunidos na praça do Buriti nesta quarta-feira (20/11) para esperar uma proposta do governo acerca dos pedidos da categoria. Caso não concordem com o acordo sugerido pela Secretaria de Administração Pública do DF, os manifestantes devem deliberar em assembleia e paralisar os serviços por tempo indeterminado. Uma das principais reivindicações dos farmacêuticos, bioquímicos, nutricionistas e outros servidores de nível superior — exceto médicos, dentistas e enfermeiros — subordinados à Secretaria de Saúde é a isonomia salarial com os odontólogos.

Hoje há uma diferença que chega a R$ 4 mil entre os diferentes cargos. A farmacêutica Kattia Cunha, 45 anos, lembra que até 2000 todos os profissionais estavam no mesmo patamar. Depois, houve um desmembramento e só uma parte recebeu aumentos salariais. “Só os médicos, dentistas e enfermeiros tiveram os salários reajustados. Essa discriminação é um absurdo. Se continuar assim, as profissões correm o risco de serem extintas, pois qual o jovem que vai querer prestar vestibular para uma carreira que paga tão mal?”, questiona.

Outra solicitação é a redução do tempo para fim de carreira de 25 anos para 18. Uma equipe do Sindsaúde conversa com representantes da Seap neste momento. Assim que eles voltarem com a proposta, os profissionais vão deliberar sobre a greve.

 

Fonte: Correio Braziliense

Este post foi adicionado em Notícias. Crie um bookmark do link permanente.