Conselho rebate mais uma vez estudo alarmista da Proteste

Em matéria publicada pela revista Saúde no dia 16 de novembro, Silvia Cozzolino, presidente do Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª Região, que inclui São Paulo e Mato Grosso do Sul, rebateu mais uma vez o estudo da Proteste – Associação de Consumidores que afirmou que 45% das dietas prescritas nos consultórios não seriam adequadas.

A Proteste fez uma pesquisa com somente 40 profissionais, quantidade irrelevante diante dos mais de 100 mil profissionais do país, e decretou que “dietas prescritas por nutricionistas podem não ser confiáveis”, o que gerou reação imediata dos profissionais, do Conselho Federal de Nutrição e dos Conselhos Regionais de Nutrição.

Segundo a Proteste, entre os erros cometidos pelos nutris consultados estava o de indicar a restrição de um ou outro grupo de alimentos, o que é exige cautela antes de uma sentença. “Quando um paciente relata sintomas importantes, que podem indicar determinada condição de saúde, um nutricionista informado pode sugerir mudanças na dieta. Aí, claro, é necessário acompanhar o paciente no dia a dia”, questiona Silvia Cozzolino.

O próprio CRN-3 realizou uma pesquisa mais abrangente, com 440 profissionais, e constatou que mais de 90% desse grupo atuava de acordo com nossas resoluções, o que gera estranhamento com as informações da Proteste.

Caso um paciente tenha dúvidas sobre os procedimentos adotados pelo nutricionista, Silvia afirma que é possível procurar o Conselho de sua região e realizar uma denúncia. O que não dá é para desmerecer toda a classe com base na conduta de uma dúzia de profissionais

Este post foi adicionado em Comunicação, Notícias com a tag(s) , , , , , , , , . Crie um bookmark do link permanente.